Esta opção irá voltar ao original a home e restaurar todos os widgets e categorias fechados.

Reset

Tipos de Diabetes: Pré-Diabetes

É muito comum ouvirmos que alguém tem começo de diabetes, mas nem sempre a população sabe o que é isso. Este artigo tenta explicar o que é o começo de diabetes e o que devemos fazer quando este diagnóstico é realizado e mostrar os riscos que esta situação representa.

O que é começo de diabetes, pré-diabetes, intolerância ao teste de glicose ou glicemia de jejum alterada?

O termo popular “começo de diabetes” corresponde ao termo médico pré-diabetes, que indica ser o primeiro passo para o desenvolvimento da doença. O termo pré-diabetes é utilizado desde 2002, quando substituiu os termos “intolerância ao teste de glicose” e “glicemia de jejum alterada”.

Em 2003, a Federação Internacional do Diabetes – FDI divulgou que há mais de 300 milhões de pessoas no mundo com pré-diabetes. Este número mostra que a cada 10 pessoas, aproximadamente uma tem pré-diabetes.

Para sabermos se uma pessoa tem pré-diabetes, dois testes podem ser realizados. Na verdade, são os mesmos testes para descobrirmos se uma pessoa tem diabetes. Estes testes são: glicemia de jejum e teste oral de tolerância à glicose (TOTG). O TOTG é um teste em que o paciente ingere um líquido contendo 75 gramas de glicose (tipo de açúcar) e depois de 2 horas o laboratório mede sua glicose no sangue (glicemia).

Os Valores dos Testes para definirmos Pré-Diabetes ou Diabetes são:

  • Para glicemia de jejum, consideramos normais valores abaixo de 100mg/dl. Entre 100 e 125mg/dl, denominamos pré-diabetes. Acima de 126mg/dl, constatamos que a pessoa já é portadora de diabetes.
  • Para o teste oral de tolerância à glicose (TOTG), uma pessoa tem valor normal, se estiver abaixo de 140mg/dl. Entre 140 e 200mg/dl, é pré-diabético. Maior que 200mg/dl, definimos diabetes mellitus.

Para definirmos pré-diabetes ou diabetes mellitus, podem ser realizados os dois exames ou o exame com resultado alterado deve ser repetido pelo menos mais uma vez.

Quem precisa fazer teste para descobrir que tem Pré-Diabetes?

Nem todas as pessoas precisam fazer o teste para saber se têm pré-diabetes. O teste de glicemia para o diagnóstico de pré-diabetes ou de diabetes mellitus deve ser realizado por todas as pessoas com mais de 45 anos de idade e especialmente se estiverem acima do peso ideal. Algumas pessoas com menos de 45 anos e acima do peso ideal também devem realizar o teste, principalmente se tiverem um dos seguintes fatores de risco para o desenvolvimento de diabetes:

  • Familiar bem próximo com diabetes (pai, mãe, irmãos e filhos);
  • Sedentarismo (pessoas que não realizam atividade física);
  • Mulheres que tiveram filhos que nasceram com mais de 4kg;
  • Hipertensão arterial;
  • Colesterol ou triglicérides alterados;
  • Síndrome dos ovários policísticos ou acantose nigricante (escurecimento da pele da nuca e das axilas, em geral);
  • História de doença vascular.

Que riscos uma pessoa que tem Pré-Diabetes sofre?

Estudos médicos mostram que uma pessoa que tem pré-diabetes tem risco maior de ter infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral (derrame cerebral), problemas nos olhos, nos rins, nos nervos e nos vasos sangüíneos, comparados com uma pessoa que não tem pré-diabetes.

Outro estudo mostra que a cada 100 pessoas com pré-diabetes, 11 podem desenvolver a doença a cada ano, se não forem tomadas medidas preventivas.

O que devo fazer se eu tenho Pré-Diabetes? Existe Prevenção? Cura? Posso me tornar Diabético?

Infelizmente ainda não há remédios bastante eficazes para prevenir o pré-diabetes e o diabetes. A melhor prevenção ainda é a realização freqüente de atividade física e ter uma alimentação saudável. Ambos ajudam a perder peso, evitar a hipertensão arterial e diminuir o risco de problemas cardíacos.

O sobrepeso e a obesidade são fatores de risco importantes para o desenvolvimento de pré-diabetes e diabetes. As pessoas que estão acima de seu peso ideal desenvolvem resistência à insulina, ou seja, estas pessoas precisam de mais insulina do que uma pessoa magra para que a glicose do sangue possa entrar nas células do corpo. Quando o pâncreas, que produz a insulina, não conseguir fabricar a quantidade suficiente de insulina, há o desenvolvimento do diabetes.

Alguns remédios podem até ajudar, mas nenhum se mostrou melhor do que a atividade física e a alimentação saudável. Ambos dependem exclusivamente do empenho de cada pessoa para que o bjetivo seja alcançado. Quem se esforçar mais para perder peso terá mais chance de prevenir e de até voltar à condição de glicemia normal.

Assim como o diabetes, não há cura para o pré-diabetes. O que pode ocorrer é uma pessoa pré-diabética ou diabética voltar a ter glicemia normal após realizar as medidas de prevenção que já citamos, geralmente associadas à perda de peso. Se voltar a engordar, as condições de pré-diabetes e diabetes podem voltar. Portanto, não adianta só perder peso, mas sim, o mais importante é manter o peso adequado, continuando a realizar exercícios e a se alimentar adequadamente.

Você pode contribuir para evitar o Pré-Diabetes e o Diabetes da seguinte forma:

  • Evitar o sobrepeso e a obesidade, mantendo-se dentro do peso ideal para sua altura;
  • Realizar uma alimentação saudável, evitando excessos de gorduras, açúcar e massas. Preferir alimentos integrais (farinha integral, arroz integral, etc…), verduras, legumes, frutas, queijos brancos, carnes magras, etc;
  • Não exagerar na quantidade de alimentos consumidos em cada refeição;
  • Praticar uma atividade física de 3 a 4 vezes por semana;
  • Realizar o exame da glicemia se estiver indicado.

Além disso, outras medidas também são importantes para se ter uma vida saudável:

  • Controlar a pressão arterial e os níveis de colesterol no sangue;
  • Evitar excesso de sal na alimentação e
  • Não fumar.

Caso você descubra que tem pré-diabetes, isto não é motivo para desespero. Você é o principal responsável para controlar a doença e evitar complicações. Apesar de não ser tão fácil, todos devem adquirir hábitos de vida cada vez mais saudáveis. Procure ter acompanhamento de um médico e de um nutricionista, seguindo suas recomendações.

Fonte: “Pote de Mel” – Publicação do NEADHC – Núcleo de Excelência em Atendimento ao Diabético do HC

Deixe o seu comentário!

Powered by Facebook Comments