Esta opção irá voltar ao original a home e restaurar todos os widgets e categorias fechados.

Reset

Hiperglicemia

Hiperglicemia é o aumento da glicose (açúcar) no sangue. A principal causa da hiperglicemia é o diabetes que ocorre devido a uma disfunção do pâncreas por ausência, diminuição ou ação inadequada da insulina, o hormônio responsável pela manutenção dos níveis de glicose no sangue.

A glicemia aumentada é danosa para o organismo e este tenta, através de vários mecanismos de compensação, reduzir a glicose sangüínea. Um destes mecanismos é mandar a glicose para os rins para ser eliminada na urina, toda vez que ultrapassa 160 a 180 mg/dl no sangue.

Surge então o primeiro sinal de hiperglicemia: a poliúria, que é excesso de urina. Ao urinar demais a pessoa vai eliminar glicose e muita água, apresentando sede excessiva, um outro sinal clássico conhecido por polidipsia.

Apesar da glicose no sangue estar elevada, ocorre ao mesmo tempo a redução da glicose no cérebro o que provoca muita fome (polifagia), pois o organismo acha que não está alimentado. Além destes sintomas bastante conhecidos, existem outros: dores, dormência e formigamento nas pernas, visão turva e embaçada e coceira na região genital.

No diabetes do tipo 1 (crianças e jovens principalmente), os sintomas são agudos, aparecem de repente e podem levar ao coma por hiperglicemia e à cetoacidose diabética (excesso de cetonas), quadros de extrema gravidade.

Já no diabetes tipo 2 os sintomas são muitas vezes imperceptíveis, o que acaba retardando o diagnóstico, às vezes em até 5 a 7 anos, e o tratamento, provocando complicações.

Quando ocorre o diagnóstico do diabetes, é fundamental que se tenha um bom controle da glicemia para evitar as complicações crônicas. Isto significa ter dosagens de glicemia menor do que 110 mg/dl em jejum e até 140 mg/dl quando medimos a glicemia até 2 horas após as refeições.

Os sintomas acima referidos (urina, sede e fome em excesso) só aparecem quando a glicemia está acima de 180 mg/dl e por muitas horas seguidas ou dias seguidos. Do contrário é bem provável que a pessoa fique totalmente sem sintomas.

As complicações mais importantes da hiperglicemia contínua são as “tias”: a retinopatia = problema ocular; a nefropatia = problema renal; a neuropatia = problema dos nervos; e a angiopatia = problema nos vasos sanguíneos que ocorre no corpo todo.

Fonte: Dr. Marcio Krakauer

Médico endocrinologista e presidente da ADIABC – Associação de Diabetes do ABC

Deixe o seu comentário!

Powered by Facebook Comments